Soldado é preso ao vazar informações para namorado do tráfico sobre operação de segurança

Um soldado do Exército foi preso durante megaoperação das Forças de Segurança, na manhã desta segunda-feira, suspeito de vazar informações da operação anterior para traficantes. Matheus Ferreira Lopes, de 19 anos, foi detido, por agentes da Delegacia de Combate às Drogas (Decod), por volta das 7h, no Batalhão de Jujuruba, em Niterói, na Região Metropolitana, onde servia. Ele, que estava sendo investigado pelo setor de Inteligência do próprio Exército, teve a prisão temporária decretada.

Outras 17 pessoas também foram detidas na manhã desta segunda-feira. Elas estão sendo levadas para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho. Ainda não há informações sobre identificação deles nem sobre o motivo das detenções. O objetivo da megaoperação conjunta é prender 14 traficantes, além de armas e drogas. Ainda não há informações se algum mandado de prisão expedido pela Justiça foi cumprido.

— É possível acontecer sim vazamento em qualquer operação. Entretanto, os órgãos de Inteligência trabalham antes, durante e depois, inclusive, buscando erros, que podem ter sido cometidos, para que possam ser corrigidos. Por parte desse acusado, foi feita uma investigação conjunta e foram levantadas algumas suspeitas sobre o procedimento desse militar. E isso está sendo investigado — afirmou o porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), coronel Roberto Itamar Plum.

Equipes da Polícia Militar, da Polícia Civil, da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Força Nacional e das Forças Armadas estão localizadas em comunidades da Zona Norte do Rio. São elas: Jacarezinho — que há mais de uma semana vive dias de intensos tiroteios —, Manguinhos, Bandeira 2, Mandela, Arará, Complexo do Alemão e no Conjunto Habitacional Morar Carioca.

FONTE: Diário7
Loading...

Gostou? então Compartilhe!

Mais Lidas

loading...

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Fatima Valladares 22 de agosto de 2017 at 07:05

    Creio na ética do comando das Forças Armadas. Gente que não presta, existe em todo lugar, a diferença está no comando .
    Certamente esse não estará mais nas forças armadas depois da investigação.

    Reply